A Leishmaniose é uma zoonose de distribuição mundial, e que está sendo cada vez mais encontrada no Brasil e agora também em nossa região.

O parasita é um protozoário que vive no intestino dos insetos fêmea do mosquito palha ou birigue, e também nas células dos cães, humanos e animais selvagens contaminados. Esse inseto pica um animal contaminado e transmite a doença para outros animais.

Após um animal ou humano ser contaminado poderá apresentar uma lesão no local da picada, com posterior formação de nódulo e úlcera que costumam não causar dor, podendo ser única ou múltipla, é a conhecida Leishmaniose Tegumentar.  Na Leishmaniose visceral a infecção pode ainda se proliferar para os linfonodos, fígado, baço e medula óssea.

Os sinais clínicos podem demorar de meses a anos para se manifestar após a infecção e cerca de 60% dos cães contaminados são assintomáticos. Dentre os principais sinais clínicos nos cães sintomáticos temos anemia, problemas de pele, insuficiência renal, convulsões, atrofia muscular, aumentos dos linfonodos, sinais oftalmológicos e vômitos.

Sempre que se suspeitar de uma contaminação por Leishmania deve-se realizar um exame sorológico e se esse der positivo o próximo passo é procurar o parasita dentro das células do hospedeiro para confirmação do diagnóstico. Não há, até o momento, nenhum tratamento eficaz para a Leihsmaniose em cães, visto que o animal permanece reservatório do parasita.  A recomendação dos órgãos de saúde é a eutanásia dos cães com dois testes positivos.

Caso o proprietário não opte pela eutanásia em um cão positivo para Leishmania o tratamento deve ser realizado para que o paciente apresente qualidade de vida, com pouco ou sem sinais clínicos e que não transmita o protozoário.

Para controlarmos a Leishmaniose e a deixarmos longe de nossas vidas e de nossos filhos de quatro patas os seguintes esforços conjuntos devem ser realizados:

  • Conhecer o mosquito palha e o deixar longe de nossas vidas.

O mosquito é de cor palha  e mede de 2 a 3 mm de comprimento. Ele se desenvolve em solo úmido, mas não molhados, ou em detritos ricos em matéria orgânica em decomposição com pouca luminosidade e possuem hábitos noturnos. Manter nossa casa, quintal e cidade limpa e com saneamento básico é muito importante para controlar o desenvolvimento dos insetos.

  • Vacinar nossos cães

A vacina Leish-tec previne a infecção do animal, sendo três doses com intervalos de 21 dias e reforço anual, a vacina não deixa o cão positivo nos exames sorológicos e antes de realizar a vacinação deve-se fazer obrigatoriamente o teste sorológico no cão.

  • Usar métodos que repelem insetos em nossos animais

Assim como nós usamos repelentes sempre que necessário nossos cães também devem estar protegidos. Atualmente existe coleira repelente para insetos, pulgas e carrapatos sem cheiro com ação de 8 meses; além de repelentes em spot-on e a essência de citronela mas essas devem ser utilizadas com uma freqüência muito maior.

 

Aqui na Clínica Veterinária Nossa Senhora da Luz nós estamos prontos para Leishmaniose:

– Mantemos o seu pet longe dessa terrível doença;

– Realizamos um diagnóstico preciso; e

– Estabelecemos o melhor tratamento para o pet infectado, considerando as suas condições de saúde e a de sua família.